United_Kingdom Spain France Italy
Imprimir

Boas Práticas

Código de Boas Práticas

Entre os dias 23/04 e 01/05, acontecerá no Rio de Janeiro, a 1ª Semana Brasileira de Montanhismo, o maior evento do Montanhismo Brasileiro, organizado com o objetivo de honrar nosso compromisso com a ética de montanha e a proteção do meio ambiente, preparando o futuro do montanhismo e da escalada no Brasil.

Com a certeza da participação em massa da comunidade de montanha de todo o país, a comissão organizadora descreve as condutas que devem ser tomadas por todos os montanhistas, escaladores e inscritos em geral, durante a semana do evento.

Tais condutas cernem as boas práticas não só na montanha, como também em todos os locais comuns aos participantes e colaboradores. Vale notar que, concomitante a este documento, todos os montanhistas devem estar alinhados com o Código de Ética e o Código de Boas Práticas de Montanha e Diretrizes de Mínimo Impacto da FEMERJ.

 Transportes

O evento será realizado na Praia Vermelha / Urca, localidade com limitação de vias de acesso e espaço destinado ao estacionamento, concorrendo também com o alto índice de turistas, por se tratar de importante ponto turístico. Deste modo, recomenda-se:

1)Evitar a utilização de veículos próprios, dando preferência aos transportes coletivos (ônibus), que possuem linhas regulares na região (linhas 107, 511, 512 e ônibus do metrô);

2)Deve-se considerar o aluguel de vans para grupos fechados;

3)No caso de utilização de veículos próprios, considere dar carona a outros participantes e evite estacionar nos entornos da Praça General Tibúrcio (Praia Vermelha);

4)O acesso de bicicleta pode ser uma ótima opção, porém atenção ao local no qual irá prendê-la, dando preferência a áreas vigiadas e fechadas. Na cidade do Rio de Janeiro, existe a opção de aluguel de bicicletas. Para maiores informações, acesse:  http://www.mobilicidade.com.br/bikerio.asp


Planejamento de Horários

Todos os eventos possuem data e horário pré-definidos, possibilitando os participantes a se planejarem previamente, evitando atrasos e perda de alguma apresentação.

Procure se informar sobre o trânsito antes de optar por um meio de transporte e considere perder alguns minutos a mais na procura de vagas, espera de ônibus etc.

Evite atrasos, pois o movimento de entrada de inscritos em horários não previstos nas palestras / oficinas pode ser prejudicial ao evento.

 

Alimentação / Bebidas

O entorno do evento conta com boas opções de restaurantes e ambulantes, comercializando comidas e bebidas, entretanto, recomenda-se:

1)Pesquise a respeito dos restaurantes locais, com relação ao tipo de comida, distância do evento e valores, para formar um planejamento prévio e não ser pego de surpresa;

2)Considere levar garrafas d’água, lembrando-se sempre de jogar o lixo nos locais apropriados para tal;

3)Considere levar algum tipo de lanche leve, para situações não previstas, lembrando-se de consumir comestíveis apenas em locais liberados para tal e sempre jogar o lixo nos locais apropriados;

4)Evite o consumo excessivo de álcool durante as oficinas e palestras, evitando assim situações embaraçosas.

 

Montanhismo em Geral

É fato que a cidade conta com inúmeras ótimas opções de atividade em montanha, e que durante o evento, a procura será maior que a de costume, por tratar-se de um evento a nível nacional. Deste modo:

1)Evite a procura de vias clássicas, uma vez que certamente haverá “congestionamento” nestas áreas. Alguns exemplos críticos: “Coringa”, “Costão”, “Italianos” e “CEPI”, no Pão de Açúcar; “Azul”, “Preto”, “Vermelho” e “Infra-Vermelho”, nos Coloridos; “Reinaldo Benken”, “Ricardo Prado”, “Salomith”, “M2”, Roda Viva”, “Arca de Noé”, “IV Centenário”, “Vilma Arnaud” e “Luiz Arnaud”, na Babilônia; “K2”, no Corcovado; e “P3”, no Pico da Tijuca;

2)A Urca, apesar de contar com centenas de opções de escalada, não é a única área de montanhismo do Rio de Janeiro. Explore a cidade! Considere escalar pelas montanhas da Zona Sul, Floresta da Tijuca, Niterói etc. Evite a concentração em um mesmo polo de escaladas;

3)Ao encontrar com montanhistas de outros estados (ou até mesmo países), seja cortês. É bem possível que grupos de fora do Rio de Janeiro levem mais tempo em determinada atividade por não conhecerem o percurso. Colabore tanto quanto gostaria de ser ajudado em situações inversas;

4)Evite a aglomeração excessiva nas bases das vias, sobretudo em boulders e falésias, evitando da mesma forma, qualquer tipo de poluição (lixo, sonora e visual).

 

Pedro Bugim
Departamento Técnico / FEMERJ

  Apoio Institucional
icmbio   inearj     unirio lg logo_access_panan logo unimed

Mídia Oficial 

logo webventure_pequeno

 

  lg logo_gooutside